sábado, 25 de fevereiro de 2012

Back on the ball game!




#Untitled

A vida é, sem que haja explicações
Existimos todos, independente de razões
O dia amanhece e termina
A aurora nasce e culmina 
Num ocaso, que germina de um perecer.

E de que adianta dúvidas e indagações?
Se o ciclo continua, alheio a nossas emoções?
O existir são trilhos e nós, meros vagões
Pro diabo, então, com explicações.

Não quero saber por que sim e não assado
Por que o fogo é quente e o riacho, molhado
Física Quântica é religião pra fracassados
Que procuram e medem
E enquanto buscam, se perdem.

Porque o sentir é pai do entender.
Eu sei do fogo, se toco.
Sei do riacho, se me jogo,
Não preciso de fórmulas, nem de equações para viver.
E se perguntarem quais as minhas intenções
Bem, pro diabo com as explicações.

Eu sei do bem e do mal,
Da escuridão e do celestial,
Sei o que sinto, ninguém precisa me dizer.
Mas se duvido e pergunto
O que é que há por trás do mundo
Basta olhar ao redor e perceber
Que cada gota de orvalho
Cada pedra de cascalho
É uma intimação, um aviso, um parecer
De que a resposta pra vida
Não pode ser medida
Nem há palavras que a consigam descrever.

E que cada tentativa 
É uma chance perdida
De apenas ser o que se tenta compreender.
Ser a morte e o nascimento
O pássaro empurrado pelo vento
Ser a beleza suave da canção.
Ser a frieza do desalento
Ou o amor
Ou casamento
Ser o vazio que preenche a solidão.
Ser a delícia do beijo
A luxúria, o desejo,
Sem nenhuma amarra, tabu ou grilhão.
Pois se a vida é o trilho e eu sou o vagão,
Pro diabo com qualquer explicação.

;)

3 comentários:

literaturaemcontagotas disse...

Gostei muito! Boa sorte com o blog! Um abraço. Karina

alexandre disse...

Poxa, Karina, obrigado pela mensagem! Apareça mais vezes!

A. Lopes disse...

Gostei muito do seu blog! Se puder, dá uma passadinha no meu. =)
Blog Detalhes